SindSaude Segunda-feira, 24 de junho de 2019

Notícias

Imprimir
  • 29/01/2019

    Decreto estabelece reforma administrativa no Estado

    Decreto estabelece reforma administrativa no Estado
    Licença sem remuneração foi primeira vítima

    A Secretaria de Estado da Saúde – Sesa – encaminhou determinação suspendendo por seis meses as licenças para trato de interesses particulares. Mais um botão que o governo aperta e explode os nossos direitos. A licença é um direito previsto no Estatuto do Servidor e já é condicionada à avaliação da chefia, que deve observar se o afastamento vai gerar prejuízo a manutenção do serviço público ou não.

    Para o SindSaúde, essa é mais uma medida arbitrária, tomada no afogadilho de querer mostrar serviço, porque não foi precedida de uma conversa com os sindicatos de servidoras/es do Poder Executivo. Além disso o Estado não apresentou nenhum estudo justificando tal medida nem mostrando seu impacto financeiro.

    Sabemos que faltam servidoras/es nas unidades e esse pode ser o motivo desse decreto, mas essa lacuna de profissionais não tem sua origem no número de afastamentos de funcionárias/os por motivos pessoais. A origem do problema é a omissão do Estado em nomear as/os aprovadas/os nos concursos vigentes, e na falta de uma política de gestão que valorize as/os servidoras/es.

    Se o governador quer fazer uma Reforma Administrativa, que chame o conjunto das/os servidoras/es para o diálogo. Esse sim sabe onde o calo aperta. O SindSaúde assistiu a filme semelhante e já viu esse tipo de decisão ser tomada no conforto de uma sala administrativa longe da realidade. Será que o governador conhece a estrutura real do Estado? Será que a equipe nomeada conhece a estrutura dos serviços públicos existentes nas diversas secretarias?

    Penúria – Na estrutura 100% pública estamos na penúria. Não é aqui o desperdício. Diárias não estão sendo pagas nem para serviços essenciais. Faltam materiais que garantam o bom desempenho do trabalho. No campo salarial estamos com três anos de congelamento, sem receber a reposição. Temos mais de três mil vagas abertas na Sesa, concurso em vigência e a saúde precisando de mais profissionais em caráter emergencial.

    Além disso temos perdido ótimos profissionais por completa falta de esperança de que o serviço público pode dar espaço para seu crescimento profissional.

    Mais que grupos fechados precisamos de espaço de diálogo. Mais que medidas de suspender direitos, precisamos de medidas que valorizem o funcionalismo para que ele queira permanecer no serviço público.

Esta matéria pode ser reproduzida desde que citada a fonte.

Av. Marechal Deodoro, 314, 8º andar, conjunto 801 - Edifício Tibagi, Curitiba, PR CEP: 80010-010 Telefone: (41) 3322-0921 E-mail: contato@sindsaudepr.org.br

DOHMS